Blog

Leia nossas últimas notícias

Prova de História – QCO – GABARITO COMENTADO

 PROVA DE HISTÓRIA DO CONCURSO DO QCO 2011

Fazer uma prova de História não é simples, pois pelo seu caráter subjetivo a disciplina permeia um maior grau interpretativo, exigindo dos candidatos maior atenção e leituras aprofundadas.

As questões de História do processo seletivo de 2011 foi uma avaliação de dificuldade média, onde se cobrou itens variados sobre a História do Brasil, com alguns enfoques complexos sobre a dinâmica do mercado interno brasileiro.

VEJA NOSSOS COMENTÁRIOS

1. Sobre as relações entre colonos e jesuítas, no que diz respeito ao uso da mão de obra indígena, analise as afirmativas abaixo e, em seguida, assinale a alternativa correta.

 I. O uso da mão de obra escrava pelos colonos não conflitava com os interesses da Coroa e nem com os dos jesuítas, mas ao insistirem no cativeiro indígena, os colonos despertaram a oposição dos inacianos.

II. As relações contrárias aos padres jesuítas por parte dos colonos acentuou-se pelo fato de os lusos acreditarem que os ina­cianos retardavam o desenvolvimento de suas atividades econômicas ao dificultar o uso da mão de obra indígena.

III. Os jesuítas foram expulsos da Capitania de São Vicente porque os colonos os denunciaram por transformar índios aldeados em escravos da Companhia.

(A) somente I está correta
(B) somente II está correta
(C) somente III está correta
(D) somente I e II estão corretas
(E) somente II e III estão corretas

 Solução do Curso Cidade

ALTERNATIVA (B)

I – Alternativa incorreta, porque o uso de mão de obra escrava pelos colonos conflitava notavelmente com as prescrições jurídicas estabelecidas pela coroa. Devemos lembrar que em 1758, Marquês de Pombal proibiu o trabalho sistemático compulsório indígena. Mesmo o item fazendo uma referência à oposição da ordem inaciana aos colonos, os estabelecimentos da coroa para com a educação indígena e o uso da mão de obra escrava se contrapunha em três âmbitos: Coroa/ Colonos, Coroa/ jesuítas e jesuítas/ colonos.

II – Afirmativa correta, pois as atividades econômicas coloniais como a empresa da cana de açúcar na Bahia se firmaram costumeiramente na mão de obra compulsória de povos nativos. Quando se tem o ideal de lucratividade, onde se produz cada vez mais em um menor espaço de tempo se prioriza o uso de mão de obra indígena, haja visto a pouca quantidade de trabalhadores portugueses na colônia. Houve uma restrição por parte dos jesuítas, pois os índios eram considerados “entes” providos de alma, logo, deveriam ser educados e catequizados e não escravizados.

III – Afirmativa incorreta, pois os jesuítas não tinham como ideal a prática de mão de obra indígena.

 2. O longo período regencial da monarquia brasileira (1831-1840) teve como um dos seus mais caros debates o que girou em torno das idéias e práticas de descentralização e de centralização. Assinale a opção que contém exclusivamente medidas de cunho descentralizador, considerando a expressiva maioria da opinião dos historiadores:

(A) Ampliação das prerrogativas dos juízes de paz – Tribunal do Júri – habeas corpus.
(B) Ato Adicional – Lei de Interpretação do Ato Adicional – habeas corpus.
(C) Tribunal do Júri – ampliação das prerrogativas dos juízes de paz – reforma do Código de Processo Criminal.
(D) Lei de Interpretação do Ato Adicional – Tribunal do Júri – reforma do Código de Processo Criminal.
(E) Ampliação das prerrogativas dos juízes de paz – Tribunal do Júri – Interpretação do Ato Adicional.

 Solução do Curso Cidade

ALTERNATIVA (A)

Aumentando as prerrogativas dos juízes de paz, temos um fortalecimento do judiciário desconcentrando o poder de personalidade jurídica do estado. Não obstante, o tribunal do júri incumbiu juízes de direito e juízes leigos, ou seja, civis de julgar casos pertinentes a ordem pública. Assim descentralizando o poder material do estado; O habeas corpus, mecanismo jurídico em que o indivíduo pode ser considerado inocente até o julgamento, foi uma medida legal incorporada na regência por influência do direito português.

 3. Analise as afirmativas sobre a economia brasileira do século XIX e, em seguida, assinale a opção correta.

I. O desinteresse do sudeste cafeeiro pela escravidão foi uma forte motivação para a extinção do trabalho escravo nas últimas décadas do século XIX.

II. Após 1850, fortaleceu-se um movimento migratório da população escrava, cujo sentido era sobretudo o das fazendas de cana-de-açúcar do norte do país.

III. Apesar da importância do café para o conjunto da economia nacional, nas décadas de 1870 e 1880, mais da metade da população escrava existente nas províncias cafeeiras estava alocada em municípios, cuja produção voltava-se para a economia interna.

(A) somente I é verdadeira
(B) somente II é verdadeira
(C) somente III é verdadeira
(D) somente I e II são verdadeiras
(E) somente I e III são verdadeiras

 Solução do Curso Cidade

ALTERNATIVA (C)

I – Alternativa incorreta, pois apesar de haver um movimento político republicano no Sudeste defendido pelo PRP entre 1860 a 1890 não podemos afirmar categoricamente que nas últimas décadas do século XIX temos um FORTE desinteresse dos produtores cafeeiros pelas práticas escravagistas, sendo tal motivo a causa para a extinção do trabalho escravo, mesmo esse movimento republicano tendo ligação ao discurso abolicionista;

II – Alternativa incorreta, porque com a lei de Eusébio de Queiroz no ano de 1850, temos um aumento do tráfico interprovincial para a economia cafeeira do sudeste, necessitaria de mão de obra para a produção agroexportadora;

III – Alternativa correta, pois apesar da economia brasileira ter seu caráter produtivo de exportação para o mercado externo, sobretudo na produção de café, havia um crescente mercado interno brasileiro advindo de uma demanda interna em muitos municípios, como o de São Sebastião da Barra Mansa, atual Barra Mansa no estado do Rio de Janeiro;

 4. Sobre a transição do trabalho escravo para o livre na região Centro-Oeste do Brasil, é correto afirmar:

(A) as relações de trabalho advindas da mão de obra livre eram baseadas no sistema capitalista de assalariamento.

(B) o sul de Goiás, por ter sido ocupado por pequenos trabalhadores livres, teve suas relações de trabalho marcadas pelo re­gime de colonato e de parcerias.

(C) o trabalho livre foi implantado para acompanhar o avanço da agricultura de alimentos, da agro- pecuária e, sobretudo, da pecuária extensiva voltada para o mercado interno.

(D) o declínio do número de escravos no Centro-Oeste decorreu do tráfico interprovincial, uma vez que boa parte dos cativos dessa região foi levada para as lavouras de café do Sudeste.

(E) a ocupação decorrente do avanço da pecuária nessa região, implementada por migrações de mineiros e paulistas, nas primeiras décadas do séc. XIX mudou as relações de trabalho, ao voltar-se para o mercado de exportação de carnes.

Solução do Curso Cidade

 ALTERNATIVA (C)

A)    Alternativa incorreta, pois a relação de trabalho advinda da mão de obra livre teve seu modelo capitalista de assalariamento posterior ao tempo/espaço do século XIX, sendo propagado notavelmente durante a primeira república e consolidado no governo Vargas;

B)    Alternativa incorreta, pois o regime de colonato, terminologia hoje infeliz para tratar da História do Brasil, haja visto seu anacronismo latente, porque o termo é característico do século IV d.c entre a península itálica, onde o trabalhador da terra – colono – e sua família ficavam ligados perpetuamente a terra que cultivavam, gerando um tipo de relação social de produção. O sistema de parcerias foi utilizado com menor ênfase, tendo em vista os elevados juros cobrados sobre as dívidas dos colonos para o tratamento da terra, bem como da produção agrícola que era pouco valorizada;

C)    Alternativa correta, porque realmente houve o uso do trabalho livre para acompanhar a demanda da economia interna crescente no Brasil;

D)    Alternativa incorreta, pois como existia um mercado interno crescente e latente no centro oeste, havia considerável déficit de mão de mão de obra, gerando demanda por trabalhadores. Tendo em vista que o ideal econômico liberal da época estava pautado em produzir cada vez mais em menos tempo;

E)     Alternativa incorreta, pois de uma forma geral a dinâmica econômica ainda se voltava para o mercado interno;

 5. Analise as afirmativas sobre a passagem da monarquia para a república no Brasil e assinale a opção correta.

I. Uma das importantes motivações para o advento da República no Brasil foi à perspectiva federalista emanada de algumas províncias.

II. Apesar de dividido ideologicamente, o movimento republicano promoveu uma mudança revolucionária quando da instau­ração da República no Brasil.

III. Pode-se afirmar que a Monarquia foi superada, em grande medida, pela ação unificada do Exército e da Marinha em apoio às camadas agrárias cafeeiras.

(A) somente I é verdadeira
(B) somente II é verdadeira
(C) somente III é verdadeira
(D) somente I e III são verdadeiras
(E) somente II e III são verdadeiras

 Solução do Curso Cidade

ALTERNATIVA (A)

I – Alternativa correta, realmente umas das importantes motivações para o advento da monarquia para a república no Brasil foi à perspectiva federalista emanada de algumas províncias como São Paulo e seu forte partido republicano;

II – Alternativa incorreta, pois apesar da instauração da república a partir de 15 de novembro de 1889 modificando o modelo político de monarquia constitucional parlamentarista para república federalista presidencialista, não tivemos no Brasil mudanças sociais e econômicas bruscas, haja visto por exemplo a quantidade de analfabetos e a permanência da economia agroexportadora respectivamente;

III – Alternativa incorreta, pois havia pouca articulação e/ou união entre a marinha e o exército;

 6. Sobre a “Política dos Governadores”, analise as afirmativas abaixo e, em seguida, assinale a opção correta.

I. Fundava-se no princípio do respeito à vontade do voto popular quando da eleição dos governantes dos Estados.

II. Sustentava-se no reconhecimento da legitimidade das maiorias estaduais pelo governo federal e, reciprocamente, no apoio das situações estaduais aos governantes em nível federal.

III. Restaurava, após a curta fase ditatorial dos primeiros anos da República, um regime político plenamente democratizado.

(A) somente I é verdadeira
(B) somente II é verdadeira
(C) somente III é verdadeira
(D) somente I e II são verdadeiras
(E) somente II e III são verdadeiras

 Solução do Curso Cidade

ALTERNATIVA (D)

I – Afirmativa correta, apesar do desrespeito ao voto popular, onde o sufrágio era exclusivo para quem sabia ler e escrever, o que José Murilo de Carvalho denominou de “uma ilha de letrados em um mar de analfabetos”, havia o respeito ao “princípio” da vontade do voto popular no que tange a constituição de 1891 para eleições dos governadores dos estados;

II – Afirmativa correta, o pacto dos governadores ou política dos governadores era uma atitude política no governo Campo Salles, a fim de manter uma unidade estatal federal por meio do reconhecimento das maiorias estaduais;

III – Afirmativa incorreta, essa terminologia “regime político plenamente democrático” estava longe da realidade da república velha;

 7. Sobre a política brasileira entre 1930 e 1932, período que antecede à constitucionalização da chamada Revolução de 1930, é correto afirmar que:

(A) o Tenentismo foi uma força política em constante ascensão, dadas as suas vinculações com as oligarquias regionais.

(B) um dos resultados práticos mais evidentes da Revolução de 1930 foi à centralização das decisões a respeito da política ca­feeira.

(C) a derrota paulista na Revolução de 1932 serviu para afastar ainda mais o núcleo regional de São Paulo das esferas do poder central.

(D) crescentemente isolados em São Paulo, os tenentes no poder buscaram aproximar-se da classe média e, sobretudo, das camadas agrárias do Estado.

(E) um marco importante para o crescimento político do Tenentismo foi à promulgação da Constituição de 1934, que referen­dava a sua política liberal e democrática.

Solução do Curso Cidade

ALTERNATIVA (B)

(A)  Alternativa incorreta, o movimento tenentista se opunha a várias práticas “injustas” das oligarquias, pretendendo uma maior alternância no poder com o objetivo de melhores condições sociais para a população brasileira;

(B)   Alternativa correta, após a crise financeira internacional enfrentada pelo Brasil em 1929, a economia pouco diversificada agroexportadora, onde mais de 60% das exportações correspondia ao café foi sendo regularizada no governo Vargas, com a criação do CNC – conselho nacional do café em 1931 – a fim de estabilizar os preços;

(C)  Alternativa incorreta, apesar da derrota na “revolução” constitucionalista, São Paulo não perdeu suas motivações de voltar a ser uma oligarquia respeitada no país;

(D)  Alternativa incorreta, os tenentes buscaram se aproximar de grupos sociais humildes no país, logo não se concentrava majoritariamente em SP;

(E)  Alternativa incorreta, a constituição de 1934 tinha um viés pouco liberal e bastante protecionista;

 8. Sobre o Estado Novo, analise as afirmativas e assinale a resposta correta.

I. A Constituição de 1937 teve como principal característica o predomínio do Poder Executivo sobre as demais instâncias de Poder do Estado.

II. Em relação ao operariado, o Estado Novo procurou anular a sua influência por meio de uma política trabalhista que negava a luta de classes.

III. O Estado Novo surgiu de um golpe forjado pela união ampla das elites econômicas com as político-militares.

(A) somente I é verdadeira
(B) somente II é verdadeira
(C) somente III é verdadeira
(D) somente I e II são verdadeiras
(E) somente I e III são verdadeiras

Solução do Curso Cidade

ALTERNATIVA (D)

I – Alternativa correta. Por ter uma caráter autoritário, bem como centralizador, a constituição de 1937 tinha um fortalecimento do executivo (poder de Vargas) sobre as demais esferas estatais, como o legislativo, haja visto a postura centralizadora de Vargas em fechar o congresso nacional;

II – Alternativa correta, pois uma das características do governo Vargas era um estado trabalhista, onde esse trabalhismo se associava intimamente ao estado, ou seja, existia uma concepção do estado “provedor”, dessa maneira não seria necessário uma organização sindical trabalhista que se contrapunha ao governo dos trabalhadores. Dessa maneira a luta de classes torna – se desnecessária;

III – Alternativa incorreta, pois no estado centralista de Vargas não havia ampla autonomia das antigas oligarquias econômicas. Muito pelo contrário, Vargas propôs um governo que diminuiu os “espaços de poder” das elites econômicas, um exemplo disso foi à política dos interventores no estado paulista;

 9. Sobre o processo político da segunda fase de Getúlio Vargas e do Governo JK, analise as afirmativas e, em seguida, assinale a alternativa correta.

I. Apesar das amplas liberdades consagradas na Constituição vigente, o direito de greve sofreu considerável restrição, depend­endo de autorização judicial para configurar-se como legal.

II. Uma característica importante do período pós-1950, quando da segunda fase de Vargas no poder, foi o retraimento do na­cionalismo e do populismo.

III. Durante a década de 1950, parte das atitudes oposicionistas advinha de comandantes militares, cuja ideologia era o antico­munismo de inspiração norte-americana.

(A) somente I é verdadeira
(B) somente II é verdadeira
(C) somente III é verdadeira
(D) somente I e II são verdadeiras
(E) somente I e III são verdadeiras

Solução do Curso Cidade

ALTERNATIVA (E)

I – Alternativa correta, as greves realmente precisavam de autorização judicial para ocorrer;

II – Alternativa incorreta, pois no governo de Getúlio Vargas temos como características principais o nacionalismo e o populismo;

III – Alternativo correta, porque pelo alinhamento claro brasileiro aos E.U.A em plena guerra fria, a ideologia anticomunista de inspiração norte – americana era marcante;

 10. Sobre a conjuntura da superação dos governos militares entre 1984 e 1985, é correto afirmar:

(A) a aprovação da emenda constitucional das eleições diretas possibilitou a livre escolha de Tancredo Neves pela maioria da população brasileira.

(B) a aprovação da emenda constitucional das eleições diretas não foi atingida, pois a oposição não reuniu os dois terços de votos necessários no Congresso Nacional.

(C) um fator decisivo para a não aprovação das eleições diretas para Presidente da República em 1984 foi o declínio numérico e político que a campanha sofreu nos seus momentos finais.

(D) o desgaste político do Governo durante as campanhas de rua pelas eleições diretas criou condições para a vitória do candi­dato oposicionista pelo voto popular em janeiro de 1985.

(E) a instauração do Colégio Eleitoral que escolheu o Presidente da República em 1985 foi o resultado das negociações políticas entre Governo e oposição, como forma de evitar uma situação revolucionária no País.

Solução do Curso Cidade

ALTERNATIVA (E)

(A)  Afirmativa incorreta, as eleições não foram diretas;

(B)  Afirmativa incorreta, a oposição não conseguiu reunir os dois terços de votos apenas em uma esfera no congresso nacional, ou seja, apenas na camarada dos deputados, onde a emenda Dante de Oliveira recebeu 298 votos de 479 deputados;

 (C)  Alternativa incorreta, as eleições diretas não aconteceram por falta de votos necessários para a implementação da emenda Dante de Oliveira;

 (D)  Alternativa incorreta, a vitória de Tancredo Neves se deveu por uma votação indireta em um colegiado congressista;

 (E)   Alternativa correta, pois realmente o colégio eleitoral que escolheu o presidente da república conseguiu promover uma discussão satisfatória entre a oposição do governo e as lideranças militares;

2 comentários

  • Kleber RochA
    set 23, 2011

    Concordo com as alternativas que foram analisadas, porém algumas questões divergem do gabarito oficial??!!

    Kleber RochA set 23, 2011
    Responder
    • Cidade
      set 23, 2011

      Prezado Kleber
      Houve uma falha do curso ao prencher o Gabarito, uma aluna anotou as respostas dos professores e me ditou para colocar na página, ainda na frente do CMB, antes de irmos para o almoço de confraternização, ocorre que na pressa ela me cantou tres letras erradas. A questão 14 da P1 – que rara a C ela me passou a letra A, a 15 que era letra A ela me passou a B e a 20 que era a letra B ela me passou a letra E. A ínica que o nosso gabarito divergiu de fato foi a questão 11 que defendemos ser a B pelas seguintes razão:
      Verificamos em: Boris Fausto, autor recomendado pelo edital deste certame, no livro História do Brasil, Ed. Usp, ano 1997, 5ª edição, página 49

      E acreditamos que o gabarito correto da questão 11 da prova geral P1 é a letra B e não a letra D como divulgado pela banca examinadora.

      Porque somente a afirmação II da primeira questão da prova de História do Brasil é verdadeira.

      A afirmação I não é verdadeira e por isso o gabarito correto deve ser a letra B.

      Boris Fausto, autor recomendado pelo edital deste certame, no livro História do Brasil, Ed. Usp, ano 1997, 5ª edição, página 49, afirma que: “podemos distinguir duas tentativas básicas de sujeição dos índios por parte dos portugueses. Uma delas, realizada pelos colonos segundo um frio cálculo econômico, consistiu na escravização pura e simples. A outra foi tentada pelas ordens religiosas, principalmente pelos jesuítas, por motivos que muito a ver com suas concepções missionárias. Ela consistiu no esforço em transformar índios, através do ensino, em “bons cristãos”, reunindo-os em pequenos povoados ou aldeias. Ser “bom cristão” significava também adquirir hábitos de trabalho dos europeus, com o que se criaria um grupo de cultivadores indígenas flexível às necessidades da colônia. As duas políticas não se equivaliam. As ordens religiosas tiveram o mérito de tentar proteger os índios da escravidão imposta pelos colonos, nascendo daí inúmeros conflitos entre colonos e padres (…)”

      Ora, a afirmação I considerada verdadeira pela banca diz que “o uso de mão de obra escrava pelos colonos não conflitava com os interesses da coroa e nem com os dos jesuítas”. Se pensarmos na escravidão negra africana a afirmação é verdadeira: nem Coroa, nem jesuítas ou colonos eram contra a escravidão do negro africano. No entanto o comando da questão é claro:

      “sobre as relações entre colonos e jesuítas, no que diz respeito à mão de obra indígena analise as afirmativas abaixo”.

      Dessa forma nosso pleito encontra respaldo na bibliografia recomendada no edital.

      O comando da questão é claro ao definir o que deverá ser analisado pelo candidato: a questão da mão de obra indígena.

      E no que se refere à escravidão indígena houve sim uma série de conflitos entre colonos e jesuítas. Assim, temos na questão 11 – prova geral P1 – um comando de questão que delimita precisamente o que o candidato deve analisar. Esse comando é bem claro. A questão da mão de obra indígena foi o objeto dessa questão. E no que se refere ao uso do indígena como escravo houve sim conflitos entre colonos e jesuítas.

      Ponderações apresentadas, de modo a promover a anulação do gabarito da questão 11 de história da prova de conhecimentos gerais P1.

      Cidade set 23, 2011

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *